Blogs > Blog do Tênis
A-  A+
Por José Nilton Dalcim - 15 de julho de 2013 às 18:15

fedA foto ao lado surgiu como uma bomba na Internet algumas horas atrás, principalmente nas redes sociais. Claramente, foi tirada durante  treino de Roger Federer desta segunda-feira no torneio de Hamburgo. Imediatamente, começaram as especulações, mais do que justas: o suíço irá trocar de modelo de raquete? Teria se inscrito em Hamburgo e Gstaad para testar a mudança?  O que isso pode mudar no seu jogo?

Ao se olhar a raquete ao lado, parece bastante óbvio que o modelo que está na mão de Fedeer não é a Wilson BLX Pro Staff 90 que ele tem utilizado nos últimos 18 meses. Não existe um consenso. Muitos apostam que é algo mais para o modelo Blade 98, embora haja opiniões que se trata de um protótipo que pode estar entre 95 e 98 polegadas quadradas de cabeça. Não menos evidente é o aro da raquete, aparentemente mais leve. A Pro Staff 90, como diz o nome, tem 90 polegadas quadradas de cabeça e pesa 357 gramas quando encordoada. O modelo Blade tem 32 gramas a menos.

Federer é o único dos seis primeiros do ranking a utilizar uma cabeça ainda tão pequena para os padrões atuais. O sérvio Novak Djokovic, os espanhóis Rafael Nadal e David Ferrer e o tcheco Tomas Berdych usam raquete com cabeça 100, enquanto Andy Murray optou por 98.

Mas o que significaria essa mudança? Vamos ver o que os especialistas no assunto dizem.  Uma cabeça maior oferece mais força nos golpes de base e permite mais ‘erros’, já que a chamada área perfeita, o ‘sweet spot’, fica também maior. Quanto ao peso, a raquete mais leve facilita o chamado ‘swing’ (preparação e execução do golpe). A combinação de cabeça maior e aro mais leve, no entanto, não ajuda tanto na precisão dos voleios e pode prejudicar o backhand de uma só mão, principalmennte no controle do golpe. Só mesmo muito treino para se recuperar o ‘timing’ ideal.

Só teremos uma resposta 100% certeira sobre a possível mudança quando Roger entrar em quadra para a segunda rodada, provavelmente na quarta-feira. Mesmo que ele esteja treinando com o modelo novo, pode muito bem não se sentir confiante e voltar à velha raquete. No entanto, a tentativa pode esclarecer de vez seu pedido inusitado de convite para Hamburgo e Gstaad. Além de ser um período do ano em que raramente joga torneios, ele ainda optou pela volta ao saibro quando o alvo são as quadras sintéticas norte-americanas.

Caso tudo isso se confirme, acho que Federer fez uma excelente opção. E mais: deixa claro que está à procura de alternativas para se manter vencedor. Trocar de raquete perto dos 32 anos é uma aventura à qual pouquíssimos tenistas se arriscariam. Na verdade, essa mudança é uma das coisas mais temidas no circuito profissional, em que tantos sofrem – lembram de Djokovic? – e muitos mentem, a ponto de pintar e disfarçar modelos antigos e até de marcas concorrentes a seu patrocinador.





comentarios 125 COMENTÁRIOS

  1. Hugo

    Assisti ao jogo.Primeiro set perdeu com uma esquerda que “vazou” pra fora,num 15-40.Se fosse o velho modelo teria sido aquela clássica madeirada.
    Não sou exatamente um expert,mas deu pra perceber que as devoluções “ameaçaram” mais que o normal.A esquerda continua afiada na cruzada.Na paralela ainda meio relutante,mas acertou uma durante o jogo.
    Quanto à potência,não consegui perceber muita coisa.Vou esperar o outro jogo pra analisar melhor.
    Eu gostaria de ver o duelo FedererXGulbis,mas o letão decepcionou.

    Responder
  2. Luis Fernando

    Na minha visão de engenheiro, tirando o tamanho da raquete, seu peso, material do encordoamento e a respectiva calibragem, o resto é fator psicológico. Ainda que nós possamos falar de tecnologia de raquetes, no fundo é um produto fácil de se copiar. Tanto os materiais de construção quanto a geometria hoje são facilmente reproduzíveis, de tal forma que eu não acredito que alguém perca ou ganhe uma partida por causa da marca da raquete.

    Responder
  3. bruno

    Dalcim,estou fazendo uma quadra de grama e saibro,gostaria que me indicasse onde comprar as marcações e as redes.
    desde já obrigado….

    Responder
  4. augusto fiães

    Dalcim, tomara que dê tudo certo para o Federer sempre!!! Agora me responda: o peso das raquetes desses cara não é maior do que o modelo comercializado nas lojas? Se for assim, como eu penso, ele pode inclusive jogar com uma raquete maior, mas tb pesada…ou os pesos são estes mesmo? Vc poderia desenhar pra mim? Grande abraço!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim Autor do post

      A raquete que se vende na loja não tem muito a ver com a raquete usada pelos grandes tenistas, que ‘personalizam’ totalmente a raquete. Portanto, é possível sim que a do Federer seja mais pesada do que o futuro modelo a ser vendido.

      Responder
  5. Rafael Medeiros

    Não sei se fará grande diferença a nova raquete.

    O que faria diferença seria começar a bater o back com duas mãos. Aí, meu amigo,voltaria ao n. 01 voando!

    Responder
  6. Mateus

    Olá Dalcim,
    Você acha que, com um novo material, uma troca de empunhadura seria apropriada?
    Claro que não uma troca de esquerda de uma pra duas mãos, mas algo mais moderno, que permita rebater bolas altas com menos dificuldade…

    Abraços

    Responder
  7. Renato Veneziano Toniol

    Dalcim, realmente muito legal esse post, confesso que estou ansioso para ver o Federer atuar com este novo equipamento. Na minha modesta opinião, (aliás, quem sou eu para quere dar dica ao melhor tenista de todos os tempos?) talvez o Federer pudesse fazer uma pequena mudança também na empunhadura em que joga. Acredito que ele se ele adaptasse uma empunhadura pouca coisa mais radical, lhe garantiria maior precisão, já que atuando com um grip mais clássico, como ele usa, é compreensível as “madeiradas”. É claro que mudança de empunhadura, todos nós que jogamos sabemos o quanto é difícil de efetuar, ainda mais a essa altura do campeonato, mas vale a tentativa, e aliado a nova raquete, o cara pode voar baixo.

    Responder
  8. pedro matheus

    Ola Dalcim e fâs desse maravilhoso esporte,
    Pela foto me parece uma blade 98 16×19.
    Uma mudanca tão abrupta assim, mudaria tambem o estilo de jogo, não?
    Sinceramente acho q o mestre deve estar somente experimentando e não vai trocar de modelo. No máximo irá aumentar a cabeça de sua pro staff pra 95sq.in. e pedir pra wilson diminuir um pouco peso. Creio que a preocupacao deve ser com a resistência de seu braço pra aguentar mais umas temporadas.
    Considerando uma pro staff blx e a suposta blade 98, apesar do mesmo padrão de cordas, a distancia entre elas aumenta, a geometria do aro muda de quadrado pra redondo (os que jogam com o aro quadrado da p.staff sabem a diferenca), a largura do aro muda demais, a rigidez muda bastante, o tamanho da cabeça muda drasticamente, a area doce aumenta muito, o balanço da raquete muda consideravelemente. A não ser que o mestre esteja querendo mais spin e estilo de jogo diferente, o que mudaria, em efeito cascata, timing e local de impacto, que mudaria posicao, que mudaria deslocamento, que mudaria fisico, que mudaria estrategia, que mudaria o nome do tenista hahahah
    Entao, volto a opinar que no máximo ele fará algumas mudanças dentro da blx mesmo. Afinal pro staff é pro staff.
    Quem joga com pro staff uma vez, nunca muda. Que saudades da 6.0 95 do pistol-air-god-sampras.
    Outra opiniao é que seja um test drive. Um modelo novo que ainda nao esta no mercado.
    Falando sobre raquetes, um famoso encordoador me disse q o sampras ganhava dois dolares pra cada pro staff vendida no mundo. Isso é verdade? Os jogadores ganham em cima das raquetes?
    Abraço a todos

    Responder
    1. Everton Falcao

      Sinceramente não acho que o Federer irá reduzir o peso da raquete, pois como sabemos, nenhum tenista top utiliza a raquete que compramos nas Pro Shop’s mundo afora. A raquete utilizada por ele tem peso, encordoamento (inclusive as perfurações), grip, e sobretudo, swingweight desenhados para ele, e realizados a seu pedido. Existem páginas que oferecem este serviço. Penso que ao aumentar a área, ele procura potência e, dentro do possível, conforto.
      Quanto ao modelo tanto faz, vai sempre ser a raquete do Federer (mas é bom para o leigo, e para a molecada não ficar com vontade de utilizar uma raquete que pese mais de 330 gramas encordoada, só porque fulano ou ciclano a usa, se você não tiver físico de profissional não utilize as raquete deles!!!)

      Responder
  9. lucas pezzini estery

    Dalcim, chegaste a ler o post sobre doping no blog do juca Kfouri ? Se sim ou se não, enfim, qual sua opinião sobre assunto no universo do tenis ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim Autor do post

      Li sim, Lucas. É um ponto de vista válido, mas ainda acho que se deva lutar ao máximo pela limpeza do esporte. A liberação seria um absurdo, na minha opinião. Ele existe, é claro e evidente. Mas o atleta sabe que o preço da perda de seus contratos, medalhas, prestígio e futuro. Ele é que tem de decidir se vale o risco. Abs!

      Responder
  10. Iara Juttel

    Olá Dalcin !!! Sou fã incondicional Rafael Nadal!,, mas,para mim,seria muito triste ver o Federer sair de um dos grandes da história…perdendo. Não acredito nisso ,por todas as suas declarações que quer jogar,até os 35 anos…..Fato,está jogando torneios,que não jovagava desde o inicio de sua carreira…..para mim,só há um objetivo,pontuar,pois,jamais vai se conformar em ser o 5* do mundo….e nem deve….Apesar de eu achar que o Nadal é um dos grandes,ninguém vai tirar os feitos de Federer!!!! A mudança de raquete,é uma coisa normal,apesar de já ter lido que ele é uma pessoa resistente as mudanças..o próprio Rafa,com todas suas dificuldades…. já deve ter mudado de raquete umas 5 vezes…e sempre deu bons resultados!!!!! Espero,sinceramente ter um Fedal na final do US open????
    Oque vc acha?????

    Responder
    1. José Nilton Dalcim Autor do post

      Eu torço sempre para que tenhamos o melhor tênis em quadra, com Djokovic, Murray, Nadal, Federer no máximo de seu potencial, além de grandes talentos que estão aí no top 10. Então acho ótimo que o Nadal tenha recuperado sua forma, que Murray embale com Wimbledon, que Nole brigue com unhas e dentes pelo número 1 e que Roger retome seu tênis excepcional. Todos ganharemos com isso. Abs!

      Responder
  11. Fernando Godinho

    Dalcim, com essa história de troca de raquetes acho que ninguém mais deve fala de aposentaria, correto? Acho que não faria sentido fazer uma mudança dessas se estivesse pensando em parar.
    Agora acho que resta ver as outras especificações da raquete, se for algo muito leve e for equilibrada fica complicada pro backhand de uma mão. Pelo menos nós amadores, e eu me incluo nessa, sofremos para o backhand clássico com raquetes leve, eu mesmo jogo com uma six one 95, mas acho que o Federer pode compensar isso na genialidade.
    Já que o assunto é raquete vou deixar uma dúvida aqui, a K Factor saiu de linha? Foi a raquete que eu mais gostei na minha vida, mas depois que tive as minhas extraviadas em um voo nunca mais achei para comprar e por isso mudei de modelo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim Autor do post

      Acredito que sim, as marcas costumam trocar anualmente a maioria dos modelos. Mas certamente a Wilson trouxe algo mais moderno. Quanto ao Federer, concordo. A tentativa dele é clara demonstração que ele não enxergou ainda o fim da carreira.

      Responder
  12. Henrique Farinha

    Dalcim, só duas observações: 1) Federer realmente demonstra que quer estender a carreira; se será bem-sucedido ou não, ninguém sabe, mas garanto que vai colocar um “elefante” atrás da orelha de alguns adversários; 2) e os que usam raquetes com cabeça 100 hoje, aos 26 ou 27 anos, o que usarão ao chegarem ao mesmo momento de encruzilhada da carreira? Um bumbo?!… Na sua opinião, que alternativa eles teriam nessa situação? Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim Autor do post

      Puxa, Farinha, acho que nenhuma. O caso do Federer é realmente excepcional, porque ele se manteve no auge com praticamente o mesmo equipamento por uma década. É coisa de gênio mesmo… quem empunhou a 6.0 e a Pro Staff sabe o que estou dizendo… rsrs…

      Responder
      1. sergio mattar

        Realmente é impossivel jogar com uma destas raquetes usadas pelo Federer. Quem comprou no impulso achando que melhoraria o jogo, se arrependeu rapidamente. Tem que ser muito bom e ter mto braço para fazer ela funcionar…coisa que apenas 1 em 1 zilhão tem. E o nome dele…todo mundo sabe!

        Responder
        1. MARIO CESAR RODRIGUES

          Nada a ver com nova raquete..o que tem a ver é Federer tomar vergonha na cara e decidir se quer jogar com vontade de ganhar um torneio ou não…vcs ainda acreditam nesta história da Raquete..inocentes!

          Responder
  13. Cris

    Adoro esse blog. Antes acompanhava tênis pelo canal Tênis do UOL, mas não tem comparação. Aqui tem notícias relevantes e fresquinhas e gente que conhece tênis para comentar. Muito bom. Ótimo achado do Rodrigo, com a matéria em inglês também, matando a charada.

    Responder
  14. Gildokson

    Por isso o Gênio é quem é… fez essa mudança a essa altura da carreira, porque com certeza acima de tudo confia no seu próprio talento e sabe que vai se adaptar.
    Dalcim, estou pasmo com a sua revelação de que alguns chegam até a pintar modelos de outras marcas. Isso não poderia implicar em um processo para um tenista??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim Autor do post

      Em alguns casos, o patrocinador até sabe. Coisa curiosa aconteceu recentemente com a Carol Wozniacki, que perdeu o patrocínio da Yonex quando se percebeu que ela jogava com uma Babolat disfaçarda. Abs!

      Responder
      1. Marcio

        Dalcim, parabéns pelos post´s!
        O design das cabeças Yonex são diferentes de todas as outras marcas, seja em qualquer modelo da empresa. Não consigo imaginar esse paintjob entre Babolat (e qualquer outra, como disse) e Yonex.
        Abraços!

        Responder
  15. Bob

    Oi Dalcim, tudo bem?

    Uma pergunta totalmente fora do tema do post, mas vc tem alguma notícia recente do Silas Cerqueira? Me lembro de boas notícias sobre ele no passado mas há tempos não ouço falar nada sobre o que ele está fazendo

    Abraços

    Responder
  16. Hugo

    Pronto,admitiu que trocou de modelo.Creio que as dificuldades que terá pra controlar a bola vai tentar corrigir “na mão”.
    Dalcim,essa volta da Hingis é pra valer?

    Responder
  17. Juliano

    Nao parece ser um modelo comercializado, acho que será uma 98, porém com perfil quadrado, nao creio que ele vá mudar o perfil do aro, de verdade é uma das grandes mudanças da linha head radical que me decepcionou… essa raquete tem cara da prestige/purestorm (entao provavelmente uma linha nova da wilson)…. uma raquete wilson para fazer frente com a linha prestige seria, no mínimo, muito interessante….. :-)

    Responder
  18. Leo

    Mudar de raquete é uma medida que já deveria ter sido feita, ainda mais se levarmos em conta a atual lentidão das quadras e novos materiais mudaram a dinamica de jogo, trazendo mais rallyes e predominio do jogo de base, além da degradação fisica natural da idade.
    Discordo de que possa prejudicar o backhand. A principio sim, mas isso serve para todos os outros golpes. Em algum tempo, todos seus golpes terão alguma melhora de potência.
    Perder precisão na dinâmica do tenis atual de quadras lentas, não é pior do que perder potência.

    Responder
  19. rodrigo

    Confirmada a mudança!!!

    “http://www.tennisworldusa.org/Roger-Federer-confirms-change-of-racket-articolo11456.html”

    ” Federer said in a press conference at the Hamburg event on Tuesday, “Yes, I have a new racquet. It features a larger clubhead. So far I’ve played with a 90, now I get to a 98th order. I think 90% of the players on the ATP Tour have club head sizes between 95 and 100 Wimbledon since we have now tested this, and so far it’s going great. I can easily develop with the new racquet power. The racquet change is in my opinion one of the largest for a tennis player.”

    Federer used to play with Wilson BLX Pro Staff 90 till Wimbledon but he will be playing bet at home Open in Hamburg with this new racket which is black in colour. Model of the racket has not been revealed yet.”

    Ansioso pra conferir o resultado!

    Dalcim, acho que a reconhecida habilidade e capacidade de adaptação de Federer podem fazer com que ele se acostume mais rapidamente a uma mudança dessas. O que vc pensa sobre isso?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim Autor do post

      Acredito que ele terá alguns problemas, mas sem dúvida o progresso será rápido e (espero) evidente. É uma tacada arriscada, mas correta a meu ver. Abs!

      Responder
      1. Neto

        O Federer me parece ser uma pessoa com grande facilidade de adaptação. Sendo assim, acredito que ele irá se adaptar à nova raquete.
        E, levando em consideração a situação atual, acho que ele não tem muito a perder, então o risco fica diminuido, na minha opinião.

        Responder
      2. Everton Falcão

        Dalcim, o Lendl (pai do pint job) já no final de sua carreira também mudou de raquete por uma também com uma cabeça maior. Ja vi fotos dele usando um Bosworth (a que o Stepanek usava) pintada com a logo da Mizuno.

        E sobre o paint job no livro do Agassi, ele mesmo revela que a troca das Princes para as Donnays foram complicadas e que utilizou este recurso por algum tempo, até que a Donnay desenvolvesse um modelo parecido.

        Responder
  20. Bernardo Savassi

    Como grande fã do Federer, obviamente eu também estava achando muito estranho essa inclusão de 2 torneios no saibro, numa época que ele normalmente não joga e ainda as vésperas da temporada de quadras duras norte-americanas. Ele vinha falando que era pra adquirir confiança. Acho que agora sabemos qual “confiança” era essa: confiança com o novo equipamento. Jogo 2ª classe aqui em BH e trabalho diretamente com o material do tênis (fisioterapeuta) e sei o qto uma mudança de raquete e/ou corda pode ser complicada. Eu mesmo sofri isso a 2 anos (saí de uma Head Extreme Pro pra uma Head Radical MP). Apesar de me sentir mais confortável pra fazer os golpes, a confiança e a precisão custaram a aparecer. Fico imaginando o que deve ser isso pra um profissional. Um abraço Dalcim!

    Responder
  21. Marcos RJ

    Vale lembrar que o otimo Pete Sampras declarou no passado que um dos poucos arrependimentos em sua carreira foi nao ter sido mais ousado, nao tendo tentado raquete mais moderas. E que tal Bjorn Borg, que voltou ou circuito depois de 10 anos com sua velha raquete de madeira, em 1991 quando ja haviam raquetes de fibra de carbono. Outro exemplo de atleta que resistiu a mudanca o quanto pode foi Serena Williams, que ate 2012 jogava com cordas de tripas e desde que trocou pela corda hibrida (tripa+ multi-filamento) decolou para #1 do ranking. Federer ja nao tem muito a perder nesse momento, entao esta mesmo na hora de arriscar. Aposto que a troca tem a mao do Paul Annacone, assim como o Agassi citou na sua biografia que trocou as cordas por tecnologias novas que davam mais spin, por influencia do tecnico Brad Gilbert.

    Responder
  22. Sergio Ribeiro

    Federer demonstra mais uma vez, que suas declarações feitas após suas exibições no Brasil e cia eram verdadeiras. Atrapalharam em muito a sua pre- temporada. Derrotas sofridas aconteceram.Mas realmente nao pensa em aposentadoria.Quem vê o Senhor voltar dos Alpes , com esta nova Raquete, treinando no Saibro com um especialista, e tendo a humildade de afirmar que precisa ganhar confiança , acredita que o Cara ainda tem algumas pra tirar da Manga…Abs!

    Responder
    1. MARIO CESAR RODRIGUES

      Quem diria que saissse dos seus teclados isto um cara que esmagou Nadal que só ganha no barro….e agora Federer vai para o Barro..sabe para que!??? mostrar acabar logo que não é raquete nova,,e sim atitude e vontade de ganhar!Vide Rafa!

      Responder
  23. Emílio

    Por falar em Borg, quando ele tentou uma volta da aposentadoria, as raquetes de grafite já imperavam. Mesmo ele sendo um gênio e as novas raquetes serem absurdamente melhores, ele não se adaptou de início e a Dunlop teve que fazer raquetes de madeira (que já haviam saído de linha) para ele.

    Responder
  24. sergio mattar

    Federer é Federer! E se todo mundo se adapta, com ele sera mais facil. E essa nova raquete, provavelmente 98, vai dar a forca que ele precisa nos golpes, para aprofundar as bolas e com isso evitar os ataques no backhand dele. Alias, o backhand tb deve melhorar mto, principalmente pq essa nova raquete vai “soltar”mto mais a bola e com isso ele nao ficara refem quando receber bolas altas com spin na esquerda.
    Dalcim, outro ponto que vc deveria explorar é a tensao das cordas, pois atualmente tem muito tenista usando muito menos tensão do que era comum no passado. As famosas tabuas sao muito raras…tem tenista top 20 que usa menos de 50 libras!
    pode pesquisar que voce ficara surpreso!
    abs, Sergio

    Responder
  25. Renato

    Considerando a cor opaca (quase bizarra) da raquete, coisa absolutamente inviável hoje em dia, na época de roupas e raquetes coloridas, e o fato de ser o Federer, que encabeça a lista dos tenistas mais influentes dos últimos 15 anos, eu acho que deve ser mesmo um modelo ainda não comercializado. E ele realmente deve estar testando e tentando se adaptar e talvez no começo vejamos algumas cenas meio bizarras.
    Mas acho que o principal seja o peso da raquete. Provavelmente ele deve ter baixado o peso, mas não ao ponto de 300 gramas e sim um pouco mais. E provavelmente também deve ter deixado o peso bastante no cabo, mas isso é o normal.
    Em termos de tamanho de cabeça, que no nível desses caras é absurdamente influente, é bom lembrar que ele jogou em SP ano passado com uma BLX PS 95 ou 100 (não lembro, mas não era a 90). Então ele certamente não vai “começar do zero” com relação a isso.

    Responder
  26. Paulo Lacerda

    Dalcim, pelo jeito teremos um “novo” Federer em Hamburgo. Aparentemente, ele confirmou a mudança:

    “”@SimonGraf1: Federer confirms: He’ll play with a 98 inch racquet head. An increase of 8 square inches!”"(Twitter)

    Responder
  27. Marcos

    Dalcim,
    Muito petinente o seu comentário.
    Aliás, houve uma evolução abrupta no quesito raquete q mudou a forma como o tênis é jogado.

    O Wilson Pro Staff 6.0 fora imortalizado por Edberg e Sampras era uma raquete pesada e com a cabeça pequena. O Sampras usou durante toda sua carreira esta raquete encordoada com cordas de tripa de carneiro natural. E o encordoamento era extremamente apertado, chegando ao ponto de quebrar as cordas por diversas vezes e até mesmo as raquetes. Como esquecer Sampras-Agassi no campeonato mundial de Hanover? O Sampras smashou uma bola, ocasionado a quebra da raquete.

    A cabeça pequena favorecia o jogo de saque e voleio, proporcionava uma maior manuseabilidade. No entanto, não nos esqueçamos do Rafter q, com seu talento e sua Prince “cabeção” cobria grandes espaços da rede

    As cordas sintéticas de hoje em dia permitem mais spin, mais controle, mais potência. O jogo agora é jogado no fundo de quadra, com vantagem para tenistas defensivos (Ferrer e Murray).

    O Sampras já apareceu com uma Babolat Pure Storm por aí. Imagino se o Sampras tivesse adotado uma raquete diferente o q poderia ter acontecido em 2001 e 2002. Talvez, ele até jogasse até 2004.

    Responder
  28. Paulo Lacerda

    Dalcim, eu realmente não entendo o motivo da precisão dos voleios e do do backhand piorarem com a mudança da raquete. Posso estar errado, mas se a raquete é mais moderna e maior, o jogo todo melhora, ainda mais para um tenista com o talento e a habilidade do Federer. Aliás, o Federer não anda voleando tão bem assim ultimamente, então eu até acho que vai melhorar rs. Alem disso, basta ver o Tsonga, que joga com a raquete do Nadal, se não me engano (ou um modelo parecido) e voleia muito bem e com muita precisão.

    Eu já cheguei a jogar com uma raquete do Federer ( a antiga K Factor Tour 90 ), e realmente eu sentia muito controle nos golpes, principalmente em golpes de precisão como bloqueios de devolução, bate prontos, voleios, etc…Mas por outro lado a bola pegava mal na raquete em vários momentos e eu cansava rápido por causa do peso da raquete. Depois que mudei para uma mais leve e maior, todos meus golpes melhoraram. De certa forma a sensação de controle que a raquete do Federer me dava foi compensada pela “facilidade”de jogar com a nova raquete.

    Enfim, espero que ele mude de raquete. Os tempos são outros e seus principais concorrentes estão usando raquetes maiores e ainda possuem a vantagem física (em termos de explosão). Talvez seja hora de tentar algo diferente. Se as madeiradas de esquerda diminuírem, já vai ser ótimo

    Responder
    1. Fernando

      Tenho certeza os profissionais jogam bem com qualquer raquete, o que eles buscam é maximizar suas habilidades com o equipamento correto. Talvez o problema seja um pouco a questão de confiança quando se troca de equipamento, a vida toda jogando de uma maneira, com a bola saindo de uma forma da raquete, talvez pequenas alterações sejam difíceis de assimilar rapidamente. O Djoko demorou bastante a engrenar seu jogo com a nova raquete, vamos ver como será a adaptação do Federer. Mas sem dúvida mostra que ele está atento à baixa que houve em seu rendimento, e buscando soluções para voltar ao seu top de performance.

      Responder
    2. Bernardo Savassi

      Perde-se a precisão com uma cabeça maior. Qto menor a cabeça, maior o controle. Em compensação, cabeças maiores aumentam a potência e são mais “mansas” com as bolas fora do centro.

      Responder
  29. Rubens Leme

    Dalcim, se ele jogou 18 meses com o atual modelo, isso quer dizer que já fez trocas de raquete anteriormente. Talvez o que surpreenda é fazer aos 32 anos, mas se ele quer ainda jogar mais 4 ou 5 anos, como vive falando, e o equipamento atual parece obsoleto em relação aos rivais, não é algo tão chocante.

    Tomara que a troca dê certo. O circuito sente falta de Federer vencedor.

    abraço

    Responder
    1. Leo

      Mudam se apenas as pinturas, de tecnologia quase nada, sendo mais estratégia para vender mesmo. O Gasquet, por exemplo, utiliza uma Head Liquidmetal com pintura da Extreme recente, que é outra tecnologia .

      Responder
  30. joao39bim

    Nesse nivel de tênis que os top jogam, as diferenças das raquetes alteram o jogo de forma absurda, vai ser complicado ele acertar com uma nova raquete, muitos testes virão, mas se ele encontrar a raquete certa o bicho vai pega.

    Responder
  31. Jose

    Em resumo.. se ele já era bom com um equipamento desatualizado… imagina com uma raquete melhor. Isso também explica ‘o porquê’ de tanto sucesso dos dois devolvedores de bolinha (Djokovice e Nadal): preparo físico e.. agora as raquetes…

    Responder
  32. Danilo

    Algums comentarios me deixam chateado sobre o federer por ele ja esta chegando em uma idade que cada vez fica mais complicado ganhar slams mas isso nao quer dizer que ele nao vai mais ganhar ele e o melhor tenista de todos os tempos eu acredito que ele posa ganhar mais algums slams

    Responder
  33. Marcos Toledo

    Dalcim pelo formato dá cabeça e padrão de cordas é a Blade 98 16 x 19 que foi lançada neste ano.
    Realmente é uma mudança muito grande para um tenista do calibre do Federer já que solta muito mais mas também produz muito mais spin, combinando com o saibro onde ele vai testar.
    Não volta mais para a velhinha Ps90 e assim vai poder jogar o circuito até os 88 anos +/-.
    Eu particularmente sempre torci para ele trocar e até sugeri.
    Acho que com toda a habilidade dele combinada com a velocidade e spin que essa raquete produz eu acho que ele vai detonar viu!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim Autor do post

      Os especialsitas que consultei não acham que é a Blade 98. Acham que é um modelo ainda não comercializado. Abs!

      Responder
      1. Bernardo Savassi

        Por tudo que eu pesquisei hj, estão falando que é realmente a Blade.. Mas ainda não há confirmação, já que a que ele tá treinando em Hamburgo parece mesmo um protótipo ou então um modelo comercializado com paint job preto

        Responder
  34. Luiz Fernando

    Como o Leonardo citou sucintamente as 19:57, os problemas maiores do aposentado sao as barreiras: Rafa, Nole, Murray, Berdych, Nishi alguma coisa, Zé Staka, Tsonga, etc…

    Responder
    1. Rose

      Nossa, como tem gente idiota neste mundo… Estamos falando de raquete e o ignorante já parte para confrontos.. Afff Falta instrução aos torcedores de tênis.

      Responder
  35. Fernando Brack

    Bom, já ia longe a hora de ele tentar algo para diminuir a quantidade de madeiradas, coisa que marca seu jogo em grande contraponto à plasticidade e fluidez dos golpes. Eu penso que ele deveria ter mudado para uma raquete de cabeça maior há pelo menos uns 4 anos. E seria bom que ela fosse um pouco mais leve também. Mas concordo que mudanças assim são difíceis para esses caras capazes de notar qualquer mínima diferença no equipamento.

    Responder
  36. José Firmino

    É só ganhar mais um slam e um masters finals e Nadal será p maior tenista de todos os tempos…Não sei com que raquete Federer vai jogar…mais eu sei que uma bofetada de Rafa ele vai levar kkk… E o Mario Cesar continua brilhante nos seus comentários…Vida que segue. Bamos!

    Responder
    1. Marcelo R.

      Por que? O Federer tem 17 Slams e 6 Tour Finals e o Sampras tem 14 Slams e 5 finals. O Rafa tem 12 Slams e 1 Tour Finals. Não entendi o Rafa ser o maior de todos os tempos só com mais 1 slam e mais 1 finals. (sou torcedor do Rafa)

      Responder
      1. Renato

        Que eu saiba o Rafa não venceu nenhum ATP finals.

        E eu sou torcedor dos dois veementemente, e sei que pro Rafa ser o melhor de todos os tempos, teria que nascer de novo.

        Responder
    2. José

      Maior de todos os tempos pra mim é o Laver!
      Ele só não ganhou mais de 20 Slams porque não jogou um monte de anos! E ele conseguiu conquistar os 4 no mesmo ano por duas vezes! Ele é o maior pra mim!

      Responder
  37. Nilton

    … e qualquer amador/intermediário que tentou alguma vez jogar com esse modelo atual do Federer percebeu o quanto é difícil, o quanto que é necessário ter precisão nos movimentos e nos golpes para tirar proveito dela, mesmo o modelo de loja. Entre os Top10 a única raquete amigável para iniciantes é a do Murray (Head Radical) – apesar as raquetes dos profissionais não são iguais às das lojas.

    Responder
    1. Renato

      Realmente a Head Radical é mais amigável.

      Mas eu acho as Babolat Pure Drive e AeroPro Drive bem amigáveis também. A Pure é mais do que a Aero Pro.

      Responder
  38. Luis

    Dalcim o que uma raquete nova pode ser bom pro Federer seus golpes com muita categoria saira mais rapido pra jogar contra Djokovic,Murray,Nadal? Tomara que o Federer encontre um grande tenis e ganhe mais grand slams,abraco

    Responder
  39. Nilton

    Se de fato ele aumentar a cabeça da raquete, acho que é um sinal bem claro de que o próprio Federer começa a perceber um declínio físico e que precisa de apoio do equipamento. O Sampras jogou a vida toda com o “tacape” de 85 e se aposentou relativamente cedo (31 anos), e depois declarou que se tivesse jogado com uma raquete maior a carreira poderia ter durado mais alguns anos… por outro lado o Agassi sempre jogou com raquete oversize e foi profissional até os 36. Eu espero realmente que essa eventual mudança ajude o Federer a chegar aos 35 ainda no top5 e brigando por slams!

    Responder
  40. tercio

    bom eu usei a raquete k blade um bom tempo, tenho esquerda de uma mão e troquei de raquete recentemente para uma dunlop biomimetic 100 ( cabeça 90) e o que percebi que a precisao da raquete leve e o voleio sao piores, mas o cansaço nas trocas de bola e para bater aquela bola na esquerda alta é mais facil com uma raquete mais leve que solta mais a bola do que com a raquete com a cabeça menor e mais pesada. a direita não muda muito só fica um pouco mais comprida e o saque fica mais forte enquanto a com cabeça menor te da mais segurança pra bater. o que eu acho é que o federer deve estar tentando achar uma solução para os pontos fracos já conhecidos no seu jogo, que é a bola alta com spin na esquerda dele e o cansaço nas trocas de bola, que foram os fatores que nao permitiram ele impor seu jogo contra ele. eu troquei pra cabeça menor porque tenho força pra aguentar o peso e pressao da taquete e nao tenho problemas com a esquerda alta, mas tinha muitos com a precisão.

    Responder
    1. Fernando

      Desde o ano passado mudei de uma 100in² da Babolat para a Biomimetic 200, de 95, 18×20. Gostei do controle que deu, fácil de sacar, melhorou o volume de jogo do panga que sou, as bolas tem entrado mais. Nesses tempos baixei um pouco a tensão para soltar um pouco mais as bolas, mas de maneira geral estou bastante satisfeito. É mais pesada do que estava acostumado, cansa um pouco mais o braço, mas o jogo melhorou.

      Responder
    2. Mauricio

      Verdade,

      o que ajudaria muita seria ele usar seu arsenal contra jogadores mais fortes. Nadal faz troca bolas bem longe da linha de base e o Federer não sobe a rede, pouco voleia e o voleio do cara é fantásticos, ele começa a cansar e BH pifar, acho que ajudaria.

      Responder
  41. Patricia Match Point Tennis Florida

    Estive no centro de inovações da Wilson no mês passado e vi várias raquetes sendo preparadas.
    Junto com a nova Blade 98 Spin effect tinham vários protótipos de 6.1 95 e algumas Blades com caracteristicas de peso e balanceamento diferentes.
    Não acredito que ele vá usar algo com menos de 330 gramas. Tenho contato com o pessoal da P1 e até agora ele está trabalhando somente com a Wilson.

    Responder
  42. Claudio

    Faz uns dois ou três anos que eu já dizia pro meu professor que o Federer deveria mudar para uma raquete um pouco maior e que lhe desse um pouco mais de potência. Afinal, com a idade é visível que o saque dele e a direita perderam potência, o que é mais do que natural. Sem falar que com uma cabeça maior a chance de madeirada na esquerda diminui.

    Responder
  43. Marcos Castillo

    Oi Dalcim. Em relação ao backhand, acho que ele vai melhorar,pois aquelas madeiradas tendem a diminuir. Acho q o slice vai ficar animal! Gostaria de saber qual a mudança que ela pode causar no saque, que acredito ser o fundamento onde o Mestre está tendo mais dificuldades comparado a temporadas anteriores.Abs

    Responder
      1. Renato

        Definitivamente o saque ganha mais velocidade. Pra mané que nem eu, perde a precisão, mas para o Federer isso não deve nem passar pela cabeça.

        Responder
  44. Jonatã

    Isso é sinal de que ele não está satisfeito com que vem apresentando na temporada, e que quer se manter competitivo. Creio que as escolhas por Hamburgo e Gstaad, é para ganhar confiança para a gira Norte-Americana, e os lugares dão boas lembranças ao Suíço. Vamos aguardar para ver no que dará

    Responder
      1. Marcelo

        Dalcim,

        Respeitosamente, discordarei de você: Embora ele tenha tido uma certa dificuldade compreensível com a troca da Wilson para a Head, o grande problema de adaptação do Djokovic foi ele ter tentado alterar o movimento do saque por instrução do Todd Martin. Foi isso que desandou completamente o jogo dele à época. Sem saque, a confiança se esvaiu.

        Responder
        1. Bernardo Savassi

          Não, ele realmente usa Head pois as características das raquetes (espessura e formato do aro, formato da cabeça e formato do coração) são totalmente diferentes

          Responder
        2. Eduardo

          A verdade é que, salvo raras exceções (yonex, por exemplo), as raquetes utilizadas pelo menos por alguns profissionais não são as mesmas vendidas nas lojas. A semelhança entre a raquete vendida na loja e a que esses profissionais usam na maioria das vezes restringe-se somente à pintura.

          Responder
          1. Mauricio

            Sim é fato.

            A do nadal tem o cortex pintado. A do Nole tem furação e garganta diferentes, e por ai vai.

  45. Alan

    Federer é um cara versátil, sempre com um coelho na cartola, acredito que o segundo semestre promete, até porque ele não fica por muito tempo em baixa e por mais que ele não precise provar mais nada pra ninguém, ele vai conquistar muitas coisas ainda, e mais slams virão, e tenho dito…

    Responder
  46. Phillip Sampaio

    Dalcim, quem não lembra do Sampras pintando aquela famosa raquete dele? Aliás, já tentou jogar com ela? Não me lembro o nome do modelo, mas dizem a lenda que a tensão era TÃO FORTE, que a maioria das pessoas não conseguiria jogar. Alias, o PIstol Pete, salvo engano também jogou todo de branco uma época.

    Quanto ao Fedex, pegou uma chavinha complicada. Gulbis na 3 rodada não é bem um treinamento para ninguém. Ainda mais o Letão, que ADORA jogar em grandes palcos e contra grandes adversários. Mais fácil ver ele perdendo pro Muñoz de La Lava, do que para um Tsonga ou Berdych da vida.

    Abraços.

    Responder
      1. Fernando Brack

        Dalcim, a raquete do Sampras era um tacape de pesada, mas não me recordo dele usar as cordas tão tensionadas. Quem gostava de ‘puxar’ o encordoamento era o Borg. Coisa de 70 ou 80 lbs. A raquete devia ficar dura feito uma frigideira. Abs

        Responder
      2. Rica

        E o Sampras já deu várias entrevistas dizendo que se arrependia de não ter trocado de raquete e que isso poderia ter adiado sua aposentadoria.

        Responder


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>